Lisboa debate o Estado da Cidade

A Assembleia Municipal de Lisboa reuniu no dia 23 de outubro para a sessão anual do debate do Estado da Cidade.

O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, começou por constatar que a cidade continua a crescer e a desenvolver-se muito positivamente. Destacou a importância da Operação Integrada de Entrecampos, que permitirá criar um grande centro de escritórios e assim reter e atrair mais empresas e mais emprego para Lisboa e para os lisboetas. Considerou ainda que a escolha de Lisboa pela Websummit para os próximos 10 anos, além de ser um claro reconhecimento da qualidade da nossa cidade, é também uma oportunidade para crescer e para nos continuarmos a desenvolver nas áreas tecnológicas. Em matéria de habitação, lembrou que já estão em curso vários dos concursos do programa renda acessível e até ao final do ano serão lançados os restantes. Quanto aos direitos sociais e à saúde, lembrou que já está em curso a construção de 5 novos centros de saúde, dos vários negociados com o Ministério da Saúde, que permitiram estar mais perta das populações e oferecer-lhes melhores instalações e serviços de saúde. Por fim, lembrou os grandes passos dados em matéria de mobilidade, e dos objetivos alcançados na Área Metropolitana, nomeadamente nos novos passes, que são um benefício para as famílias. Com a nova política de mobilidade o passe custará, no máximo, 40 euros e uma família, no máximo, pagará 80 euros por todos os passes familiares.

Por sua vez, o líder do Grupo Municipal do Partido Socialista, José Leitão, afirmou que um ano após o início deste mandato, a cidade tem motivos de satisfação pela forma como estão a ser prosseguidos os objetivos inscritos no programa do governo que serviu de base à eleição desta Câmara liderada pelo Presidente Fernando Medina. Demos passos significativos para melhorar a qualidade de vida e do ambiente. O primeiro ano do mandato ficou marcado pela afirmação da mobilidade como um desafio do mandato. Esta opção traduziu-se num conjunto de decisões históricas, a nível de Lisboa e da Área Metropolitana, que tem vindo a ser adotadas com competência técnica, rapidez e sentido de futuro, que merecem o nosso aplauso. O trabalho que está a ser realizado atualmente passa pela disponibilização de transportes públicos mais regulares, acessíveis, fiáveis, confortáveis e sustentáveis, verdadeiramente ajustados às necessidades da cidade e da sua população. Por fim, manifestou inteira confiança na equipa da Câmara Municipal de Lisboa, que sobre a liderança de Fernando Medina procura melhorar a qualidade de vida, afirmar direitos e reforçar a cidadania de todos.

No mesmo debate, a Deputada Municipal Carla Madeira recordou que no passado dia 1 de outubro, cumpriu-se um ano sobre as eleições autárquicas realizadas em 2017. A vitória em Lisboa, do projeto político liderado pelo Partido Socialista, sob a égide “Lisboa Precisa de Todos”, assumiu particular relevância, tendo os lisboetas confiado ao PS, a liderança da Câmara Municipal, da Assembleia Municipal, e de 19 das 24 freguesias da cidade. Mas os resultados eleitorais em Lisboa, traduziram também de forma inequívoca, a vontade dos lisboetas verem concretizadas, as propostas apresentadas no programa de governo para a cidade, numa lógica de consolidação e desenvolvimento da estratégia municipal, que foi implementada e desenvolvida com sucesso no mandato anterior, e a persecução de metas, ainda mais ambiciosas, por forma a tornar Lisboa, a cada dia, “uma cidade mais coesa, mais justa e mais digna”. Uma cidade onde todos tenham direito a uma vida digna, e a concretizar os seus sonhos e o seu potencial”, tal como afirmou o Presidente Fernando Medina no seu discurso de tomada de posse. Nesse sentido, é fundamental promover a qualidade de vida das pessoas, através de políticas sociais complementares e transversais às diferentes áreas, nomeadamente a educação, ação social, saúde, habitação, desporto e cultura, bem como, no combate à exclusão social e promoção dos direitos das minorias. A promoção da qualidade de vida, foi aliás, inscrita, como um dos cinco eixos estratégicos, do programa eleitoral sufragado pelos lisboetas, onde as políticas sociais, concorrem como linhas estruturantes, para a concretização desse desiderato. A democracia não se apregoa; pratica-se. E o PS tem demonstrado, invariavelmente, enorme sentido democrático, ao fomentar o envolvimento dos cidadãos nas decisões, e ao colocar as pessoas no epicentro das suas políticas. Este espírito, faz parte do nosso ADN, e constitui a “marca de água” do nosso partido, pelo que os lisboetas, podem continuar a contar com o PS, para promover o desenvolvimento e modernização da Cidade, e para defender os seus interesses, e corresponder às expectativas, para termos um futuro mais promissor.