Assembleia Municipal debate obras de renovação da Praça do Martim Moniz

A Assembleia Municipal de Lisboa reuniu a 5 de fevereiro em sessão extraordinária, marcada pelo Debate de atualidade sobre o “Processo de obras de renovação da Praça do Martim Moniz”.

Neste âmbito, o Deputado Municipal Miguel Gama lembrou que este assunto foi discutido no dia 30 de Janeiro de 2019 em reunião pública da Câmara, tendo sido assumido o compromisso pelo Presidente, de submeter a aprovação do projeto a discussão e apreciação final por parte do executivo. Acrescentou ainda que, tal como foi referido pelo Presidente da Câmara, que o projeto em apreciação, para além de um parque infantil e de um aumento da área de fruição pública, irá implicar responsabilidades acrescidas na limpeza e segurança pelo concessionário.

No encerramento do debate o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, criticou os partidos da oposição que hoje fazem um número político por um contrato de concessão que já existia e nunca criticaram. Aliás, até hoje, todos sempre estiveram confortáveis com o atual contrato de concessão.

No âmbito da apreciação da Proposta n.º 749/CM/2018 – Alteração dos Estatutos da Companhia Carris de Ferro de Lisboa, E.M. o Deputado Municipal João Valente Pires manifestou a posição do Partido Socialista, lembrando que urge dotar a empresa das ferramentas de gestão adequadas, que permitam dar continuidade ao processo de recuperação da operação da empresa.

Por sua vez, o Deputado Municipal Davide Amado saudou entusiasticamente a apresentação dos votos relativos às Jornadas Mundiais de Juventude em Lisboa em 2022, apresentados pelo PSD e pelo MPT, aos quais o Partido Socialista também se associa. Lembrou ainda que este é um grande momento para a cidade de Lisboa.

A propósito da apreciação dos votos relativos à atual situação na Venezuela, o Deputado Manuel Portugal Lage lembrou que este não é um momento para guerras partidárias, mas sim de procurar a ajuda necessária e procurar uma rápida solução para as pessoas, quer para o povo venezuelano, quer para as centenas de luso descendentes que vivem naquele país.